Lições da Semana Santa em tempos de pandemia

  • dia 9 de abril de 2020

Lições da Semana Santa em tempos de pandemia

 

Eu vivo para a Semana Santa
Sei que não estou só em meu amor pela Semana Santa e pelo Tríduo Pascal. Quando estudava na Universidade de Notre Dame, eu era um dos muitos estudantes que faziam fila às portas da Basílica do Sagrado Coração por horas antes de elas serem abertas para as liturgias do Tríduo. Eu não era a única que corria para garantir um lugar. E não era a única que tinha de se virar com qualquer espaço disponível — mesmo que esse lugar fosse no chão.
Assisti às liturgias do Tríduo em diferentes estados e dioceses, e embora poucas pessoas fossem tão extremas em seu entusiasmo quanto meus colegas de graduação da Notre Dame, em todas as paróquias das quais participei eu encontrava pessoas devotas das liturgias mais sagradas do ano. Desde que cheguei à idade da razão, perdi alguns dias específicos do Tríduo, mas jamais ele inteiro. Mesmo grávida e sofrendo de hiperêmese gravídica, não suportava a ideia de perder o Tríduo.
Sei que não estou só em meu amor pela Semana Santa e pelo Tríduo Pascal.
Mas neste ano vejo-me na mesma situação de muitos leigos espalhados pelos Estados Unidos e pelo mundo — numa diocese em que as Missas públicas foram suspensas como parte de um esforço por “achatar a curva” e retardar a disseminação de uma pandemia. Este ano só poderei assistir às liturgias do Tríduo em meu laptop escorado num altar doméstico provisório na sala de estar.
Porém, mesmo que a região onde moro não tivesse de seguir a política de confinamento e eu pudesse participar do Tríduo Pascal, não veria exatamente as mesmas belas práticas litúrgicas que havia memorizado no coração. Até as liturgias do Tríduo foram alteradas por causa da estranha época em que estamos vivendo.
Não sou a única a lamentar por isso. As redes sociais estão cheias de leigos desolados por não poderem participar das liturgias do Domingo de Ramos, do Tríduo e até do Domingo de Páscoa.
Esse certamente não será o Tríduo que desejávamos; apesar disso, poderá ser o mais autêntico que vivemos até agora.
Um mistério re-presentado
O mistério pascal não é apenas um evento histórico que recordamos todos os anos. O propósito da Semana Santa e do Tríduo não é somente relembrar coisas que aconteceram dois mil anos atrás. Ao contrário, a Semana Santa torna presente outra vez aqueles mistérios sagrados. De fato, é isso que acontece toda vez que vamos à Missa. Quando o sacerdote eleva a hóstia na consagração, não é simplesmente como se estivéssemos ao pé da cruz — nós realmente estamos ao pé da cruz. O sacrifício de Cristo não ocorre várias vezes. Seu sacrifício único e perfeito foi suficiente. O dom da Missa está precisamente no fato de aquele sacrifício tornar-se presente outra vez para nós (“re-presentado”). Isso também faz parte do dom da Semana Santa. Por meio da celebração daquelas liturgias e Missas, compreendemos que somos uma parte do mistério pascal — uma realidade viva que ainda está se desvelando.
Nós tomamos parte no drama da Semana Santa todos os anos, mas é fácil cair no hábito de participar dele como espectador. É fácil enxergá-lo como mera comemoração do sofrimento, morte e ressurreição de Cristo, sem lembrar do papel que somos convidados a exercer nesse mistério.
Uma pandemia e um convite
Nos outros anos, tínhamos de encontrar formas de mantermo-nos concentrados durante a Semana Santa. No domingo, levávamos para casa os ramos distribuídos na Missa e os colocávamos atrás das imagens e crucifixos em nossos lares. Íamos à Missa, jejuávamos na Sexta-feira Santa, pedíamos que um padre abençoasse a refeição de Páscoa… mas parmanecíamos distraídos. Na ausência de sofrimento, é fácil esquecer que também precisamos da cruz.
Mas este ano é diferente
Na ausência de sofrimento, é fácil esquecer que também precisamos da cruz.

Pessoas de todos os lugares do mundo estão sofrendo — com a doença, a enfermidade de um ente querido, o cuidado dos que estão doentes, a solidão ou separação da família e de amigos. De repente, não estamos mais apenas lembrando os eventos da Semana Santa. Estamos vivendo-os. Como os Apóstolos, estamos separados da presença de Cristo, nossas igrejas estão fechadas e a Eucaristia não se encontra à nossa disposição. Estamos no Cenáculo, assustados; não ousamos ter esperança. Como todos os que estão ao pé da cruz, tentamos permanecer firmes, ainda que à beira do colapso. De repente, deparamos com muito sofrimento. De repente, o sofrimento tornou-se inevitável.
Mas, quando estivermos em nossos próprios cenáculos na manhã do Domingo de Páscoa, é nosso dever escutar e permanecer em silêncio, a fim de que possamos ouvir o Cristo ressuscitado dirigir também a nós aquelas palavras de esperança: “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não vo-la dou como o altoumundo a dá. Não se perturbe o vosso coração, nem se atemorize!” (Jo 14, 27).
Nesta Semana Santa, somos convidados a uma experiência muito real da cruz, abraçando seja qual for o sofrimento por que estejamos passando. Mas também somos convidados a lembrar que a cruz é, verdadeiramente, nossa única esperança.
Cristo venceu a morte. E como fez com os Apóstolos, tomados pelo medo, Ele estende a mão para nós — aquela que porta suas chagas glorificadas — e nos diz: “Coragem! Eu venci o mundo” (Jo 16, 33).
Uma certa vez São Paulo disse: É preciso completar em nós o que faltou a Paixão de Cristo. O que será que faltou na Paixão de Cristo? Para a nossa Salvação, com certeza não nos faltou nada. Mas em cada tempo da história, podemos dizer que o que faltou na Paixão de Nosso Senhor, foi a nossa participação individual e direta como cristãos e discípulos de Jesus. Somos os apóstolos desse tempo e também nós precisamos completar em nós, em nossos corpos e em todo o nosso o que faltou na Paixão de Cristo. Eu, como cristão, como Igreja, como discípulo de Jesus hoje, preciso ter uma participação efetiva e concreta na Paixão do Senhor, me unindo à sua cruz e aos seus sofrimentos.
Geralmente ao celebrar a Páscoa do Senhor a cada ano, ficamos mais na expectativa de chegar logo no domingo da Páscoa, na ressurreição. Mas não esqueçamos que o Mistério Pascal de Cristo não é apenas a ressurreição, mas também, sua paixão, morte e calvário. Só se chega à Páscoa gloriosa quem passar antes pela paixão e cruz. A Paixão de Cristo e sua cruz se faz atual nos sofrimentos da Igreja e na pessoa de cada cristão que enfrenta as dificuldades, incompreensões, provações e dores deste mundo.
Talvez essa semana santa será única para nós e será uma semana Santa onde vamos pela primeira vez nos sentir mesmo de forma real e concreta, unidos à cruz de nosso Senhor, com os sofrimentos causados por essa Pandemia do Covide -19: Mortes, doentes e milhares, desemprego, pânico, misérias de todo tipo, desesperos, confinamentos, etc. Se soubermos colocar esses sofrimentos na cruz do Senhor em atitude de oferta e sacrifício pela conversão do mundo, com nossas orações e súplicas as Deus, com certeza esses sofrimentos serão aceitos por Jesus e se transformarão em graças e bênçãos para a Salvação desse mundo.
Saibamos viver essa semana Santa verdadeiramente unidos à cruz de Cristo, participando de cada celebração transmitida pelas redes sociais e diversos meios de comunicação, vivenciando cada momento, bem perto de Jesus, oferecendo tudo a Ele e deixando que nessa situação única, sua Paixão se complete em nós e em nossos corpos para nossa santificação e o bem deste mundo.

Fonte: Do Site do Padre Paulo Ricardo – Testemunho de uma Leiga Católica
Obs. Os Quatro últimos parágrafos foi um acréscimo feito pelo Pe. Alexandre Melo.

PRÓXIMO EVENTO
PUBLICIDADE