Ex protextante se converte ao catolicismo pela Bíblia

  • dia 22 de setembro de 2020

Ex protextante se converte ao catolicismo pela Bíblia

Ex-protestante: “Foi a Bíblia que me converteu à fé católica”

“A Escritura alimentava minha vida cristã, ajudava-me a crescer espiritualmente e a aproximar-me cada vez mais de Cristo. E, no final das contas, foi a própria Escritura que acabou me convencendo da verdade do catolicismo.”

Quando, aos dezoito anos, aceitei Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador, comecei pela primeira vez na vida a ler a Bíblia com vontade e interesse. Eu acabara de entrar em um novo relacionamento de fé e amor com Cristo, e era nas páginas da Escritura que eu podia aprender o que era necessário saber sobre Ele. Passei um verão inteiro a ler o Novo Testamento de cabo a rabo. Era como se verdades me saltassem aos olhos; intuições e rios de sabedoria manavam daquelas páginas. Surpreendi-me de achar as Escrituras tão fascinantes. “Isso é por causa do Espírito Santo”, disse-me um amigo, que me tinha levado para o Senhor. “Ele está com você, revelando o que significa a Palavra de Deus”.

Durante os dez anos seguintes, tendo pertencido a uma grande variedade de igrejas, a Bíblia permaneceu a pedra-de-toque da minha fé em Cristo. Tudo em que eu tinha de acreditar como cristã poderia encontrar-se na Bíblia; era ela a minha única autoridade em matéria de fé, e eu a considerava totalmente fiável. Eu a li várias vezes ao longo daqueles anos e tornei-me familiar com muitas de suas passagens. Eu amava a Bíblia, porque era nela que podiam ser descobertas a vontade de Deus e a resposta a todas as perguntas vitais. A Escritura alimentava minha vida cristã, ajudava-me a crescer espiritualmente e a aproximar-me cada vez mais de Cristo. E, no final das contas, foi a própria Escritura que acabou me convencendo da verdade do catolicismo

Quando uma amiga próxima contou-me que estava se tornando católica, eu fiquei chocada. Para mim, a Igreja Católica era uma grande e misteriosa organização, de caráter duvidosamente cristão e cheia de ensinamentos errôneos e contrários à Bíblia. Eu não podia entender como alguém com verdadeira fé em Cristo, tendo com Ele um relacionamento pessoal, poderia virar católico. Por isso, decidi ir atrás da resposta. Mas onde encontrá-la? Ora, onde mais, senão na Bíblia mesmo?

A minha postura era como a dos judeus da Beréia, que, após ouvir a pregação de Paulo, receberam a palavra “com ansioso desejo, indagando todos os dias, nas Escrituras, se essas coisas eram de fato assim” (At 17, 11). A Igreja Católica propunha-me como verdade algumas doutrinas, e eu, como os bereanos, queria examinar a Escritura a respeito dessas doutrinas, para determinar se de fato elas eram ou não verdadeiras. Se a doutrina católica não estivesse de acordo com a Escritura, então ela podia ser rejeitada sem maiores problemas. E eu tinha certeza de que era isso que ia acontecer.

A Bíblia não diz quanto tempo levaram os bereanos para descobrir que o ensinamento de Paulo estava de acordo com a Escritura, ao fim do que “muitos deles creram” (At 17, 12). Para mim, foram precisos cinco anos. Eu estudei os ensinamentos da catolicismo à luz da Escritura, sempre me baseando na Bíblia como em minha única autoridade para encontrar a verdade. E, no final de tudo, descobri que a doutrina católica é, sem sombra de dúvida, escriturística. Tendo-o descoberto, eu devia me comportar como os bereanos. A Escritura tinha-me mostrado que o catolicismo é verdade, e eu então acreditei.

A Escritura convenceu-me de todo o ensinamento católico, mas em nenhum outro ponto ela era mais clara do que na Eucaristia, entendida como verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo. Enquanto protestante, eu acreditava que Cristo, ao falar em Jo 6 que nos daria de comer sua própria carne, estava se expressando em termos simbólicos, e não literais. “Comer a sua carne”, pensava eu, era o mesmo que dizer, em linguagem figurada, “acreditar nele”. No entanto, a própria Bíblia mostrou-me que essa crença não é escriturística. Toda a minha formação como protestante consistira em ler a Bíblia literalmente, em tomar as palavras da Escritura ao pé da letra, sem tentar “interpretá-las” de forma alguma. Ora, Cristo disse que nos daria de comer sua verdadeira carne e, na Última Ceia, Ele tomou pão e disse: “Isto é o meu Corpo”. Ao ler isso na Bíblia, perguntei a mim mesma: “Se a Bíblia há de entender-se literal, e não simbolicamente, por que não aqui?” Parecia-me claro que, se Cristo disse que a sua carne é verdadeira comida (cf. Jo 6, 55), nós poderíamos supor com segurança que Ele quis dizer exatamente o que disse.

Eu sou católica há seis anos. Como católica, qual é a minha postura diante da Bíblia? Eu amava a Bíblia quando era protestante; ela era a Palavra de Deus, e nela eu encontrava os tesouros de sua sabedoria. Eu me baseava nela como meu guia para a verdade. Agora que sou católica, eu amo a Bíblia ainda mais — se é que é possível —, porque, além de tudo o que ela representava para mim enquanto protestante, eu a reconheço agora como o que ela realmente é: um livro católico, que pertence essencialmente à Igreja Católica.

E foi a própria Escritura que me mostrou onde devo procurar, se desejo saber que doutrinas são verdadeiras: ela me levou até a “casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm 3, 15).

Fonte: Do Site www.padrepauloricardo.org

PRÓXIMO EVENTO