Tendência homossexual é “dom de Deus”?

  • dia 6 de julho de 2020

Tendência homossexual é “dom de Deus”?

O que diz ensina a Igreja? O Catecismo diz que sentir atração pelo mesmo sexo é uma “inclinação objetivamente desordenada” (§2358) e que “As pessoas homossexuais são chamadas à castidade” (§2359). Nenhum padre, bispo, ou mesmo um anjo descido do Céu tem autoridade para ensinar algo diferente do que está escrito no Catecismo!

Alguns grupos de acolhida a homossexuais dentro da Igreja Católica, em vez de ajudar esses irmãos a viver a alegria do Evangelho, os incentivam a permanecer abraçados a seus pecados. É o caso dos hereges que pregam que basta o homossexual “não ser promíscuo”, que pode praticar atos homossexuais na boa, tá sussa! Mas o Catecismo diz algo muito diferente:

Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que “os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados”. (CIC, 2357)

Deus Altíssimo não pode colocar no coração humano nenhuma inclinação que possa levar a pessoa a pecar gravemente. Portanto é um erro gravíssimo dizer que a tendência homossexual é dom de Deus. Todos nós, homossexuais ou não, somos chamados por Deus à santidade. Mas só caminharemos bem rumo a esse objetivo se não nos entregarmos às nossas más tendências – tendência à maledicência, aos pensamentos impuros, ao adultério, ao egoísmo, à ira, ao roubo etc.

 

AH… MAS O PAPA DISSE PRA NÃO JULGAR!

Tem muita gente por aí (até bispo) distorcendo o “Quem sou eu para julgar?” dito pelo Papa Francisco, confundindo nosso povo, arrotando apoio à imoralidade sexual disfarçado de falsa misericórdia. Não devemos julgar, no sentido de condenar e excluir, nenhuma pessoa por causa de suas tendências ou práticas homossexuais, ou por causa de qualquer outro pecado. Porém, se não temos como julgar o coração de cada um, temos SIM a obrigação de, misericordiosamente, apontar o erro, este sim, já julgado e condenado pela sã doutrina. 

Nem todos que entram na Igreja começam imediatamente a abraçar integralmente a doutrina e a seguir os Mandamentos. Diante de Deus, cada um tem seu tempo. Devemos amar a todos e continuar pregando a verdade sobre as virtudes e os pecados, mas sem rejeitar ninguém. As portas da Igreja devem estar abertas para acolher a todos! Agora, não confunda isso com dizer que mais nada é pecado: isso é enganação de Satanás!

 

DEUS PODE TIRAR ALGO BOM DISSO TUDO?

Em nossa Igreja, há muitos irmãos que sentem atração pelo mesmo sexo e, vivendo a castidade, dão um belo testemunho de caminhada rumo à santidade. Nesse sentido, podemos dizer que Deus tira algo bom da tendência homossexual desses fiéis, permitindo que eles deem o seu testemunho em um mundo tão ferido pelos desvios e confusões de identidade sexual.

Entretanto isso não quer dizer que a tendência homossexual é uma coisa boa. O Catecismo ensina que “Deus é infinitamente bom e todas as suas obras são boas” (CIC, 385). Ou seja, é evidente que uma inclinação objetivamente desordenada não pode ser dom de Deus.

Aos irmãos que sentem atração pelo mesmo sexo, o nosso carinho e respeito! Recomendamos vivamente a todos que procurem o Apostolado Courage (Grupo de apoio a pessoas homossexuais que querem viver segundo a doutrina da Igreja).

Para entender melhor todo esse tema, ouçam as entrevista que fizemos com membros do Courage. Eles têm atração pelo mesmo sexo e contam a trajetória que os levou a uma vida de castidade e santidade.

 

Fonte: Do Site “O Catequista”

PRÓXIMO EVENTO