Quer aprender a administrar suas expectativas? Adote o exemplo de São José

  • dia 17 de dezembro de 2020

Quer aprender a administrar suas expectativas? Adote o exemplo de São José

Diz o Papa Francisco: São José traça um caminho espiritual para nós, mas não aquele que “explica”, e sim o que “aceita”

Em sua nova carta apostólica, o Papa Francisco aborda o “fiat” (expressão de aceitação) de São José. O Santo Padre explica por que esse fiat é um exemplo para nós em nossa vida diária, talvez particularmente em nossos tempos.

Diz o Papa:

“José aceitou Maria incondicionalmente. Ele confiou nas palavras do anjo.”

Além disso, Francisco destaca:

“Hoje, em nosso mundo, onde a violência psicológica, verbal e física contra as mulheres é tão evidente, José aparece como a figura de um homem respeitoso e sensível”.

Entretanto, São José tomou sua decisão “mesmo não entendendo a situação geral”, e Deus “o ajudou, iluminando seu julgamento”.

O Papa observa:

“Na nossa vida, muitas vezes sucedem coisas, cujo significado não entendemos. E a nossa primeira reação, frequentemente, é de desilusão e revolta. Diversamente, José deixa de lado os seus raciocínios para dar lugar ao que sucede e, por mais misterioso que possa aparecer a seus olhos, acolhe-o, assume a sua responsabilidade e reconcilia-se com a própria história. Se não nos reconciliarmos com a nossa história, não conseguiremos dar nem mais um passo, porque ficaremos sempre reféns das nossas expectativas e consequentes desilusões.”

Assim, diz o Papa Francisco, São José traça um caminho espiritual para nós, mas não aquele que “explica”, e sim o que “aceita”.

São José não é passivo

O Santo Padre continua dizendo que, nessa aceitação, José não é passivamente resignado, “mas corajosa e firmemente pró-ativo”.

“José não é um homem resignado passivamente. O seu protagonismo é corajoso e forte. O acolhimento é um modo pelo qual se manifesta, na nossa vida, o dom da fortaleza que nos vem do Espírito Santo. Só o Senhor nos pode dar força para acolher a vida como ela é, aceitando até mesmo as suas contradições, imprevistos e desilusões. A vinda de Jesus ao nosso meio é um dom do Pai, para que cada um se reconcilie com a carne da sua história, mesmo quando não a compreende totalmente.O que Deus disse ao nosso Santo – «José, Filho de David, não temas…» (Mt 1, 20) –, parece repeti-lo a nós também: «Não tenhais medo!» É necessário deixar de lado a ira e a desilusão para – movidos não por qualquer resignação mundana, mas com uma fortaleza cheia de esperança – dar lugar àquilo que não escolhemos e, todavia, existe. Acolher a vida desta maneira introduz-nos num significado oculto. A vida de cada um de nós pode recomeçar miraculosamente, se encontrarmos a coragem de a viver segundo aquilo que nos indica o Evangelho. E não importa se tudo parece ter tomado já uma direção errada, e se algumas coisas já são irreversíveis. Deus pode fazer brotar flores no meio das rochas. E mesmo que o nosso coração nos censure de qualquer coisa, Ele «é maior que o nosso coração e conhece tudo» (1 Jo 3, 20).”

Enfrentar a realidade

Francisco disse que este é um exemplo do que ele chama de “realismo cristão”:

“A realidade, na sua misteriosa persistência e complexidade, é portadora dum sentido da existência com as suas luzes e sombras. É isto que leva o apóstolo Paulo a dizer: «Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus» (Rm 8, 28). E Santo Agostinho acrescenta: tudo, «incluindo aquilo que é chamado mal».Nesta perspetiva global, a fé dá significado a todos os acontecimentos, sejam eles felizes ou tristes.”

Nada é fácil

O Pontífice advertiu que não devemos pensar em acreditar como “encontrar soluções fáceis”:

“Assim, longe de nós pensar que crer signifique encontrar fáceis soluções consoladoras. Antes, pelo contrário, a fé que Cristo nos ensinou é a que vemos em São José, que não procura atalhos, mas enfrenta de olhos abertos aquilo que lhe acontece, assumindo pessoalmente a responsabilidade por isso.O acolhimento de José convida-nos a receber os outros, sem exclusões, tal como são, reservando uma predileção especial pelos mais frágeis, porque Deus escolhe o que é frágil (cf. 1 Cor 1, 27), é «pai dos órfãos e defensor das viúvas» (Sal 68, 6) e manda amar o forasteiro. Posso imaginar ter sido do procedimento de José que Jesus tirou inspiração para a parábola do filho pródigo e do pai misericordioso (cf. Lc 15, 11-32).”

4 maneiras de imitar São José no dia a dia:

A parte mais importante da devoção a São José, sem dúvida, é imitar o seu exemplo

Embora as orações e devoções sejam essenciais para homenagear São José, o mais importante, sem dúvida, é imitar a vida e o exemplo do pai adotivo de Jesus.

No livro Devoção a São José, o autor explica esse conceito claramente:

“A melhor devoção para com nossos santos patronos consiste em imitar suas virtudes. Esforce-se cada dia para praticar algumas das virtudes que brilharam em São José, por exemplo, em conformidade com a santa vontade de Deus.”

Além disso, o livro também detalha uma prática útil que pode ajudar a lembrá-lo de imitar São José:

“O Padre Louis Lalemant, tendo escolhido São José como modelo de vida interior, praticava todos os dias em sua homenagem os seguintes exercícios: dois pela manhã e dois pela tarde.”

1. Ouvir o Espírito Santo

O primeiro era elevar sua mente ao coração de São José e considerar quão dócil ele havia sido às inspirações do Espírito Santo. Depois, o Padre examinava o próprio coração, humilhava-se pelos tempos de resistência e animava-se para seguir mais fielmente às inspirações da graça.

2. Unidade de oração e trabalho

O segundo era considerar a perfeição com que São José unia a vida interior às ocupações. Em seguida, refletindo sobre sua própria vida, o padre examinava se havia alguns defeitos para corrigir. De fato, Padre Lalemant alcançou, por meio dessa prática sagrada, uma grande união com Deus e ele soube preservá-la em meio a ocupações que pareciam as mais perturbadoras.

3. Devoção à Maria Santíssima

O terceiro exercício era unir-se espiritualmente a São José como esposo da Mãe de Deus e, considerando os admiráveis ​​pensamentos que o santo tinha sobre a virgindade e a maternidade de Maria, o padre encorajava-se a amar este santo patriarca.

4. Adoração ao Menino Jesus

Por fim, o quarto exercício era representar para si mesmo a profunda adoração e a ajuda paterna que São José prestava ao Menino Jesus. O padre pedia permissão para se juntar a ele na adoração, no amor e no serviço deste Divino Menino com o mais terno afeto e com a veneração mais profunda.

 

Fonte: Do Site Aletéia

PRÓXIMO EVENTO