Qual o Valor da Comunhão Espiritual e como Fazê-la

  • dia 9 de abril de 2020

Qual o Valor da Comunhão Espiritual e como Fazê-la

 

Embora a comunhão sacramental, objetivamente falando, tenha um valor incomparável, a comunhão espiritual é uma prática riquíssima e, nestes tempos difíceis, talvez a única saída para os que não podem receber Jesus na sagrada Eucaristia. Como então tirar proveito da comunhão espiritual? Em que condições se deve praticá-la e de que modo se podem acrescentar os seus efeitos salutares? Como ficam, por fim, as pessoas em pecado mortal: elas podem ou não comungar espiritualmente? É a essas e outras dúvidas que esse artigo dá resposta em mais uma orientação para este período de confinamento, seja ele total ou parcial.

I- A Comunhão Sacramental
– Antes de falarmos da Comunhão espiritual, é preciso entendermos como deve ser nossas comunhões sacramentais quando podemos de fato receber o Corpo e Sangue de Cristo. A Igreja nos ensina que para um fiel se aproximar da Sagrada Comunhão, deve ter sido já batizado e ter feito sua primeira comunhão depois de um tempo de preparação, chamado de Catequese ou Catecumenato. Depois, a Igreja ainda nos ensina que o fiel deve estar em “estado de graça”, ou seja, com sua confissão em dia e sem ter cometido pecado mortal algum sem confessá-los.
– O Pecado mortal acontece quando se transgride com matéria grave um ou mais os 10 mandamentos da Lei de Deus, o chamado decálogo, que ainda são válidos e sempre serão para nossa vida de fé e de santidade; Se uma pessoa comunga sacramentalmente o corpo e sangue de Cristo em estado de pecado mortal, acontece apenas o recebimento do Sacramento, mas não acontece o maior fruto da Comunhão eucarística que é a união profunda com Jesus Cristo. Agora, quem comunga em estado de graça, sem pecados mortais, talvez tendo pecados “Veniais” (leves, sem matéria grave), através de uma fé viva e um verdadeiro amor a Jesus, então acontece a tão necessária e desejada união profunda com Jesus, onde Ele se faz mesmo um e vivo como ressuscitado em nossas almas, nos dando as graças necessárias para nossa santificação e salvação. Resumindo, para se comungar Sacramentalmente e colher os frutos dessa comunhão, é preciso: estar em estado de graça e receber Jesus com fé viva e profundo desejo de amá-lo.

II- Quais os requisitos para se fazer a Comunhão espiritual
– Nesse tempo de Pandemia, de confinamento, onde as Igrejas estão celebrando de portas fechadas, sem o público, muitos fièis estão tristes e angustiados porque não podem confessar e nem comungar e principalmente, não poderão comungar nessa Páscoa. É bom lembrar que a comunhão freqüente é algo novo na Igreja. Durante um bom tempo, os fiéis só podiam comungar para a páscoa, então, apenas uma vez ao ano. Depois do Concílio de Trento (Século XVI), a Igreja permitiu os fiéis a comungar na Páscoa e dias Santos de guarda. Somente com o Papa São Pio X (1903 – 1914) o Papa da Eucaristia, então se permitiu que os fiéis comungasse todos os domingos e até diariamente e também as crianças a partir dos sete anos podiam se preparar para sua primeira comunhão. Então, o fato de poder comungar com freqüência é algo bem recente na vida da Igreja.
– E agora privados dessa graça de comungar todos os domingos e sempre que possível, deveria nos levar a um sério exame de consciência: como tem sido minhas comunhões? Quantas vezes eu devo deixado de buscar a Sagrada Comunhão aos domingos e dias santos por descuido, preguiça e falta de amor a Jesus? Quantas vezes eu comunguei mal, sem estar em estado de graça ou de maneira morna, rotineira, sem uma fé viva e sem verdadeiro amor para com Jesus? E devemos pedir a graça a Jesus, nesse tempo de privação da Eucaristia, para redescobrirmos ou descobrirmos o grande valor da eucaristia na minha vida cristã e uma fé viva para receber Jesus dignamente, quando voltar a comungar.
– Para se comungar espiritualmente, devemos ter as mesmas condições quando se comunga sacramentalmente: estar em estado de graça, ter uma fé viva e um ardente desejo de amar cada vez mais a Jesus. Mas alguns podem perguntar: e se eu estou em pecado mortal e não posso confessar e nem comungar sacramentalmente, como vou comungar espiritualmente? Como por exemplo, muitos casais de segunda união onde um ou os dois foram casados na Igreja e por isso não podem se casar de novo, ou casais que moram juntos ou em uniões estáveis, mas nada impede de se casarem na Igreja pelo Sacramento do Matrimônio, porém ainda não se casaram, em todos esses casos, estão impedidos de comungarem sacramentalmente pois estão em pecados mortais. Para esses casos, somente poderiam comungar espiritualmente, porém com algumas condições: sempre antes de fazerem sua comunhão espiritual, devem na oração pessoal fazer uma contrição perfeita, ou seja, um ato de arrependimento sincero de seus pecados e prometer a Deus dar os passos necessários, assim que possível, para saírem do pecado mortal e voltarem ao estado de graça e até mesmo à comunhão sacramental;
– A Comunhão espiritual bem feita, em estado de graça e em profunda contrição e arrependimento de nossos pecados, realiza efeitos semelhantes em nossa alma, como quando se comunga sacramentalmente em estado de graça. É claro, nada supera o valor inestimável de poder receber Jesus Sacramentalmente. Os frutos são muito mais grandiosos e fecundos para nossa santificação e salvação eterna. Mas a Comunhão espiritual bem feita quando não podemos comungar sacramentalmente, ou até mesmo como ato de devoção (a comunhão espiritual pode ser feita sempre que desejar) mesmo podendo comungar sacramentalmente, também realiza um tipo de união maravilhosa com Jesus em nossos corações;

III- Como fazer a Comunhão espiritual

– Primeiro devemos responder o que é a Comunhão espiritual? É quando o fiel, não podendo comungar mesmo sacramentalmente do Corpo e Sangue de Jesus, ele deseja ardentemente em seu coração receber Jesus espiritualmente ao menos e em oração, manifesta esse desejo a Jesus, lhe dizendo: “Senhor, como não posso receber agora o teu Corpo e teu Sangue, venha ao menos espiritualmente ao meu coração.” Não precisa de uma grande oração, muitas palavras, mas se deve ter uma fé viva e um desejo ardente em receber Jesus. E se tiver consciência de algum pecado mortal ainda não confessado, então, como já foi dito antes, deve-se fazer antes da comunhão espiritual, um ato de contrição, de arrependimento profundo dos pecados e pedir o perdão a Deus, firmando um propósito sério de romper com o pecado mortal assim que possível;
– A comunhão espiritual pode ser feita dentro de uma Missa, na hora da comunhão ou de uma celebração da Palavra, pode ser feita em casa ou em qualquer lugar em que você possa se recolher por uns cinco minutos em oração e pode ser feita quantas vezes quiser ao dia em estado de graça. Se diz que São Padre Pio fazia cerca de 100 comunhões espirituais ao longo do dia e da noite. Santa Catarina de Sena,fazia sua comunhão espiritual com tanto desejo e fé que sentia o gosto da Hóstia consagrada em sua boca. Nesse tempo de Pandemia, saibamos fazer uso desse ato de fé tão importante que é a comunhão espiritual e também depois quando tudo voltar ao normal e podermos voltar a comungar sacramentalmente, continuemos com essa prática espiritual da comunhão espiritual e quem sabe vamos aprender a comungar melhor e mais santamente o corpo e sangue de Cristo como alimento de salvação para nós;

Oração de Comunhão espiritual (Santo Afonso de Ligório) Meu Jesus, eu creio que estais presente no Santíssimo Sacramento. Amo-vos sobre todas as coisas e minha alma suspira por vós. Mas como não posso receber-vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, ao meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de vós! Ó, sumo bem e doce amor meu, vulnerai e inflamai o meu coração, a fim de que esteja abrasado em vosso amor para sempre. Amém.

Fórmula mais simples para Comunhão espiritual: Meu Senhor Jesus, como não posso te receber agora sacramentalmente, vinde ao menos espiritualmente ao meu coração, pois eu vos amo e vos adoro. Amém

– A comunhão espiritual pode ser feita também com orações espontâneas saídas do coração e que manifeste esse desejo ardente de receber Jesus no coração. E é sempre bom terminar a comunhão espiritual com um Pai Nosso e uma Ave Maria.

PRÓXIMO EVENTO