Quaresma, um caminho de Combate espiritual e de Conversão

  • dia 17 de março de 2020

Quaresma, um caminho de Combate espiritual e de Conversão

Caríssimos irmãos da Paróquia de Santa Cruz de Mendes e demais participantes de nosso Site, Paz e Bem No Cristo nosso Senhor.

Você já descobriu a beleza de nosso Site? Tem aproveitado os textos, artigos de fé para nosso crescimento espiritual? Esse site surgiu para duas finalidades: Evangelizar por esse meio extraordinário de comunicação e para a formação eclesial, pastoral e espiritual de nossos fiéis.  Por isso lhe peço, não deixe passar essa graça de um site puramente católico e que está a serviço de nossa fé e da Igreja.  Use a abuse de todo o conteúdo, que a cada semana ou de quinze em quinze dias estamos procurando atualizar, sempre trazendo novidades para você.

Começamos com a Missa da Quarta Feira de Cinzas esse tempo santo de oração, penitência e Oração, a chamada Quaresma, a fim de nos prepararmos bem para a maior Festa de nossa Igreja: A Páscoa de Jesus. Quaresma lembra o Número 40 que tem um forte simbolismo dentro das Sagradas Escrituras, mas que nos lembra sobretudo a própria Quaresma que Jesus vivenciou no começo de sua Missão pública, onde após ter se deixado batizar no Jordão por S. João Batista, também se deixou levar pelo Espírito até o deserto, onde por quarenta dias e quarenta noites, enfrentou as tentações de Satanás, através do Jejum e da oração.

A Quaresma nos lembra algo muito importante para toda a nossa vida cristã: Que a vida do homem sobre a terra é um contínuo combate. Foram palavras que Jó pronunciou ao enfrentar as terríveis provações da vida. Muitos cristãos precisam recordar isso, para sairem de uma vida cristã medíocre, acomodada e sem radicalidade na busca da conversão e da Salvação eterna.  Ninguém vai se salvar se não entrar nesse combate espiritual e para entrar nesse combate é preciso ter as armas certas.  Jesus combateu o Mal e nos ensinou como vencê-lo.

Que combate espiritual seria esse? A Tradição de nossa Igreja de mais de dois mil anos nos ensina que estamos a cada dia combatendo contra três grandes inimigos de nossa Salvação: O diabo com seus demônios, o mundo corrompido em suas estruturas e nós mesmos com nossas próprias concupiscências (nossa inclinação para o pecado).  Jesus enfrentou o diabo em seu Ministério através das suas tentações, que quis desde o início desvirtuar Jesus de sua Missão, querendo convencê-lo a viver um messianismo meramente político. O diabo é aquele que tenta o homem desde o princípio da criação e seu maior empenho sempre será nos afastar de Deus e nos impedir de ganharmos o céu.  Pe. Gabriele Amorth, um grande exorcista do vaticano por anos e anos, chegou a dizer: “Não acreditar na existência e na ação do demônio, é dar mais ainda força para ele agir em nossa vida e nos pegar desprevenidos.”

Nem sempre somos tentados diretamente pelo demônio, mas também por esse mundo tão corrompido pelo Mal. Corrompido em suas estruturas de poder, pelas injustiças, pelos seus contra valores, por suas ideias e modismos contrários aos Mandamentos de Deus.  E também somos tentados por nossas próprias fraquezas, vícios e paixões desordenadas.  Estamos sempre nesse contínuo combate espiritual e existencial.  Por isso a Quaresma não quer apenas nos preparar para a Páscoa litúrgica a cada ano, mas sobretudo ela quer ser um tempo de treinamento para nos ensinar e nos fortalecer no nosso combate espiritual.  Por isso que a Quaresma a cada ano nos lembra quais são as armas para entrarmos nesse combate espiritual? O evangelho da Quarta Feira de Cinzas sempre nos mostra essas armas, o capítulo 6 de S. Mateus: O Jejum, a oração e a esmola (caridade).  A nossa vida cristã precisa estar sempre fortalecida por esses meios ou práticas espirituais. Sem o Jejum ou penitência, não conseguimos dominar a nós mesmos e nosso egoísmo. Sem a oração, não há fortalecimento espiritual e desejo de conversão. E sem a caridade, não há crescimento no amor para com Deus e para com o próximo.

A Quaresma quer nos lembrar que não existe uma vida cristã levada a sério e fecunda de frutos para nossa conversão e salvação eterna, se o cristão não a vive como um verdadeiro combate espiritual em meio a este mundo.  Saibamos vivenciar esse tempo santo de oração, penitência e caridade, para depois colhermos os frutos da Páscoa do Senhor, frutos de conversão, de santidade de vida e fidelidade à Palavra de Deus. Aproveite os artigos de nosso site, que estão maravilhosos, aproveite a homilia diária que oferecemos, para viverem ainda melhor a sua Quaresma.  Deus o abençoe

 

Pe. Alexandre S. Melo – Pároco da Paróquia Santa Cruz

PRÓXIMO EVENTO